Um tempo-lugar que nos chama, por Heloisa Amaral Peixoto - Janaina Torres

São Paulo Brasil

Um tempo-lugar que nos chama, por Heloisa Amaral Peixoto

8 de outubro de 2020 | 12:35

Alicerce, de Andrey Zignnatto: projeto/instalação para área externa (detalhe)

Projeto curatorial para nossa participação na ArtRio 2020.

Simbolicamente, de onde e para qual lugar esse novo tempo nos chama?

Creio ser válida a tentativa de, por um momento, abandonar as noções da história objetiva ou de qualquer convenção da ciência antropológica para, dentre tantos ressignificados atuais, compreender a experiência artística circunscrita nos limites de um “tempo-lugar” indeterminado e, portanto, não classificável, só possível no campo dos sentidos e do simbólico.

Sim, continuaríamos a explorar a diversidade das técnicas e alcançar suportes inimagináveis para desenvolver a visualidade poética, ampliando e revendo conceitos sobre a função da Arte. Porém, imaginar um “tempo-lugar” que sugere o despojamento de expectativas condicionadas à nossa realidade seria uma brecha para estabelecer novas bases de reconstrução da visão de uma sociedade.

O conjunto de obras dos artistas Andrey Zignnatto, Ricardo Siri e Sandra Mazzini,  aqui reunido para esta edição comemorativa dos 10 anos da ArtRio, ocupa-se tanto com imagens internas de seus autores como seus respectivos imaginários coletivos .

A galeria traz como projeto especial a apresentação das instalações “Alicerce”, de Andrey Zignnatto e “Ninho”, de Ricardo Siri. Dentro das suas particularidades, ambas instalações carregam o sentido de abrigo, encontro e convivência. Suas configurações construtivas partem de referências culturais de um tempo passado e que implicam em certa vulnerabilidade.

“Alicerce” e “Ninho”, assim como todas as instalações interativas, são um sistema vivo que, para além das suas concepções estéticas, só se completam com as trocas e as correspondências que virão a ser elaboradas pelo público. Na sua sequência e, a partir desta percepção, se dará a transformação de um espaço determinado para a sensação de tempo-lugar vivido, onde todos, no nosso arcabouço utópico, sairemos restaurados.

Heloisa Amaral Peixoto
Curadora
Outubro 2020

Ninho, de Ricardo Siri: projeto/instalação para área externa

Leia Também
EXPOSIÇÕES & VIEWING ROOMS

Guilherme Santos da Silva

PRA VELA NÃO SE APAGAR

ENTES

As Maneiras Plurais de Existir

Êxtase

Giulia Bianchi, Mirela Cabral e Paula Scavazzini

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.

Aceitar